sábado, 13 de julho de 2013

SOPHRONITIS WITTIGIANA




 
Floração Junho 2013.

 
A planta da foto é uma Sophronitis wittigiana, uma belezura de mini, fácil de cultivar, apenas exigente quanto ao clima, que deve ser de altitude, ao nível do mar não obtive sucesso.
 
Este é um gênero pequeno, com pequenas plantas, mas de beleza e colorido gigantesco. Possui cerca de 7 espécies, distribuídas pelo Brasil, Bolívia e Paraguai. Caracteriza-se por possuir pseudobulbos cilíndricos, próximos uns dos outros, formando grandes touceiras e contendo normalmente uma única folha apical, com inflorescências curtas e partindo do ápice dos pseudobulbos, podendo ser multiflorais ou uniflorais, dependendo da espécie. Possui labelo livre da coluna, porém circundando-a, e todas as espécies contêm oito políneas. Este gênero está intimamente ligado às CATTLEYA, LAELIA, EPIDENDRUM e BRASSAVOLA, com os quais produz diversos híbridos, sempre doando para estes sua cor vermelha.
Estas espécies desenvolvem-se em florestas úmidas em regiões com altitudes que variam de 500 a 1000 metros. São plantas de difícil cultivo, porém podem ser cultivadas com sucesso em pequenos vasos de barro, com xaxim e sempre com excelente drenagem. Pode-se também cultiva-las sobre um pedaço de madeira, colocado em um vaso com sphagnum à sua volta. Desta forma, a planta ficará com seu sistema radicular bem aéreo e terá a umidade ambiente de que necessita. O melhor é o vaso de xaxim. Não é bom o uso de cachepô.
Principais espécies: Soph. cernua, Soph. coccinea, Soph. grandiflora, Soph. wittigiana, Soph. Mantiqueira.
 

2 comentários:

Unknown disse...

Amo sophronitis, tenho brevi e cernua. Todo conhecimento sobre essa belezura é sempre bem vindo.

Jan Masaa Paixao disse...

Amo sophronitis, tenho brevi e cernua. Todo conhecimento sobre essa belezura é sempre bem vindo.