terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Phalaenopsis amabilis variegata




Floração Dezembro 2014.
 

A matéria a seguir foi elaborada pelo e publicada em seu blog:

 http://orquideassemmisterio.blogspot.com.br/2011/10/phalaenopsis-orquidea-borboleta-parte-2.html



Para o bom cultivo das Phalaenopsis é importante destacar os principais tratos culturais que são bem parecidos para as demais orquídeas e a parte de manipulação do desenvolvimento desta planta, que então sim é diferente das demais, já que uma cattleya, por exemplo já não se tem esse conhecimento do que induz o florescimento propriamente dito, assim como se tem em Phalaenopsis. Então para facilitar começarei a conversa aqui falando dos principais tratos culturais, depois da questão de manipulação do desenvolvimento da planta e por último na indução de "keikes" em hastes de Phalaenopsis e as curiosidades quanto a esse assunto.
Quanto aos tratos culturais não existem grandes diferenças as demais, como já dito anteriormente o que vai facilitar muito as coisas, mas mesmo assim é importante o conhecimento destes.


A Phalaenopsis é uma planta de matas densas da Ásia tropical, devido a isso estão habituadas a regiões mais sombreadas, entretanto possuem uma grande capacidade em adaptações a momentos curtos de insolação direta sem colapsar os tecidos e queima as folhas, entretanto, na prática o cultivo deve ser feito em sombreamento entre 50 a 70%, podendo ter picos de 40% a 80% sem ter prejuízos, o que facilita em muito seu cultivo em interiores, que em geral são mais escuros, então para quem cultiva em ambientes internos(ver postagem sobre cultivo em ambientes internos) como uma janela, uma varanda, um terraço, pode coloca-las em locais mais sombreados um pouco e evitar o sol direto nas folhas, podendo tomar aquele sol fraquinho da manha ou fim da tarde e sempre atentar a temperatura das folhas quando o sol estiver batendo sobre elas. Caso a folha esteja a uma temperatura que a gente consegue colocar a mão, ou o rosto e mesmo durante alguns segundos não ficarmos incomodados sinal que está tudo bem, mas se sentimos incômodo ao fazer isso sinal que está forte demais o sol e então deve-se fazer uma mudança de local.
próximo ponto importante é a rega, lembrando que Phalaenopsis são plantas de crescimento monopodial, desprovidas de pseudobulbos, sem condições de armazenar água e nutrientes, além de possuírem folhas grandes e largas, o que aumenta em muito a perda de água da planta por transpiração, sendo assim está é uma planta exigente quanto a rega, o que nos indica que deve-se molha-la de forma mais constante, embora ainda o melhor critério para saber a hora de molhar é verificando se o substrato já está bem seco, no caso de Phalaenopsis isso costuma acontecer bem mais rápido. Em geral, a recomendação básica dos manuais de cultivos e cartilhas, na prática para as Phalaenopsis não costumam dar resultados satisfatório, porque em geral a recomendação é muito generalizada e acaba que muitas vezes as pessoas molham apenas uma vez por semana as plantas o que muitas vezes é insuficiente. Se o substrato já é velho e bem deteriorado, talvez esse tempo de uma semana seja o adequado para que seque, mas se é um substrato novo, e dependendo da época do ano talvez é necessário regar até mais de 1 vez ao dia e assim vai ser, portanto a observação é o melhor jeito para se estipular a hora certa de regar. Quanto ao modo de regar, em geral deve-se evitar de molhar folhas, principalmente o miolinho de onde saem as folhas novas, já que esta é uma planta muito propicia ao ataque da podridão bacteriana, mas caso isso não seja possível, então preferir molhar as plantas, na parte da manha, ou no meio da tarde, para então dar tempo das folhas secarem completamente antes do anoitecer.
Completando a parte de rega, ainda mais importante que uma rega balanceada é a manutenção de uma umidade ambiente alta entre 60 a 90% o que propicia sim um ambiente bastante satisfatório para o bom desenvolvimento da planta o que pode ser conseguido utilizando recipientes com brita e água até quase cobrir a brita, ou areia e água, o que favorece uma ótima evaporação e sempre colocar um pouquinho de água sanitária por causa da Dengue caso estas plantas estejam em ambientes internos.
Quanto a adubação são plantas muito exigentes em cálcio e fósforo, mas na prática a adubação delas é muito semelhante as demais plantas, só atentando para que esta seja completa e balanceada, podendo ser com adubos minerais, minerais+orgânicos, orgânicos, desde que estes consigam suprir as necessidades da planta e as recomendações são as mesmas que para as demais, podendo ser semanal ou quinzenal. Agora, quanto a adubação na fase reprodutiva antecedendo a floração e durante a floração não deve ser suspensa, pois esta é uma planta de floração muito longa e de muito gasto energético para a planta e então é importante a manutenção da adubação neste período para manter os níveis nutricionais da planta equilibrados e assim evitar que ela entre em exaustão e inicie um processo de colapso e morra. Lembrando, que mesmo adubando no período de floração não se deve jogar adubo nas flores para evitar que manchem.

........
 
 
 
 
 
 

 
 

Nenhum comentário: